Férias: conheça os cuidados para o alérgico alimentar

Dra. Danila Blanco

É pesquisadora, farmacêutica e bioquímica. Mestre em microbiologia, doutora em biociências e biotecnologia pela UNESP. Site: bemvindoalergico.com.br

A tão esperada férias em família chegou! Ansiedade e animação fazem parte, mas para quem tem alérgico alimentar em casa, esse período pode ser difícil e estressante.

Muitas mães me perguntam como eu consigo viajar tanto com o Dante. A resposta é simples: com muita preocupação.

Confesso que, na grande maioria das nossas viagens, levamos uma verdadeira mudança culinária: desde utensílios de cozinha até alimentos prontos. Mas, o mais  importante é que todos os passeios e hospedagens sejam estudados com antecedência. E, claro, que nos permitam servir uma alimentação segura para os nossos pequenos.

Então, férias em família e alergia alimentar podem dar certo? Claro que sim! Veja as minhas dicas para vocês terem o sonhado – e justo – descanso merecido:

No carro

Sabia que o meu carro tem nome? O Dante o chama de Sal e diz que ele é o nosso cavalo (rsrs). Muitas vezes, diz também que é uma casa que anda – e isso tem todo o sentido se vocês soubessem o que levamos quando viajamos. Para resumir: A CASA TODA.

Sim! Levo uma térmica com água, sucos e frutas; outra com alimentação pronta para consumo na viagem; e a terceira com os congelados que serão usados em todo o período ou até à primeira compra no mercado. Tem ainda a sacola de biscoitos e petiscos permitidos.

Se o seu meio de transporte nas próximas férias for outro, como avião, ônibus ou trem, leve pelo menos uma sacola ou bolsa com os alimentos da criança. Isso é fundamental!

Nós buscamos levar tudo, pois já passamos por muitas situações em que as pessoas falavam que tinham controle do produto e, mesmo assim, o Dante reagia. Então, se eu desconfio, já tenho o alimento seguro para o meu filho.

Na hospedagem

Pesquise muito para encontrar um lugar confiável para o bem estar do alérgico. Em seguida, entre em contato com o estabelecimento (hotel, pousada ou proprietário da casa) e faça perguntas detalhadas até se sentirem seguros. Veja uma dica de roteiro:

  • Esclareça todos os detalhes da alergia do hóspede;
  • Certifique-se de que a cozinha está capacitada em atender hóspedes com alergia alimentar e apta para preparar refeições para esse público;
  • Peça permissão para conhecer a cozinha;
  • Veja quais são as opções no cardápio para o alérgico alimentar;
  • Verifique se os estabelecimentos da região, como supermercados, restaurantes e padarias, são capacitados no atendimento ao alérgico;
  • Se possível, busque hospedagem perto de hospitais ou prontos socorros para garantir um pouco mais de segurança durante a viagem;
  • Nos passeios, descubra se pode levar o lanche.

Praia

Se as férias forem na praia, é fundamental levar a refeição da criança. Não compre nada preparado nos quiosques, pois é muito difícil evitar traços de alérgeno.  Procure por alguns alimentos que podem ser consumidos, como picolés de fruta.

Viagens internacionais

É essencial ter em mãos uma declaração médica para possíveis emergências e uma lista com os alimentos que a criança deve evitar. Tudo isso traduzido no idioma do país que vocês visitarão.

Nas empresas aéreas, se optar pela refeição a bordo pesquise o fornecedor. De preferência, fale direto com a empresa, para evitar surpresas. Ou peça autorização pala levar a refeição segura do alérgico.

Dicas extras

  • Leve um kit de primeiros socorros com os medicamentos do alérgico;
  • Não esqueça de levar os documentos pessoais e do plano de saúde;
  • Confira se o hospital mais próximo da hospedagem tem cobertura do seu plano de saúde. Anote o endereço e junte aos demais documentos.
  • Desconfie de estabelecimentos que resolvem qualquer coisa sem capacitação. Muitos estabelecimentos dizem fazer pratos sem alergênicos mas não tem controle de traço.
  • Cuidado: Pizzarias que fazem ao mesmo tempo pizza com farinha de trigo e pizza sem glúten tem grandes chances de ter contaminação cruzada de glúten.

Caso Hom

É fundamental tomar todas as precauções na viagem de férias. Infelizmente, há muitos casos graves e até morte por causa de reações causadas pela alergia alimentar.

Uma dessas histórias é de Brian Hom e sua família, que foram comemorar os 18 anos do filho em um resort, no México. Assim que chegaram, a família foi direto jantar. Logo depois, o garoto reclamou de dor de garganta. Hom saiu e foi para a farmácia.

Ao retornar, depois de ser avisado que o filho estava passando mal, o pai o  encontrou tendo uma reação anafilática. O garoto faleceu na mesma noite. Ele era alérgico a amendoim e comeu uma sobremesa com um ingrediente que continha o alimento.

Conclusão

A história é realmente muito triste, mas o intuito de contá-la aqui é também reforçar a extrema importância de cuidar de todos os detalhes da viagem.  Mas, mesmo com esses riscos, é possível sim combinar férias em família e alergia alimentar! É só seguir essas dicas e pé na estrada. Boas férias!

Publicado originalmente http://bemvindoalergico.com.br

 

 

O primeiro pastel a gente nunca esquece. Nem o Lucas!

O Lucas saboreou pela primeira vez pastel. Gostou muito. Comeu vários. A receita é da "Celíacos, um dia de cada Leia mais

Criança com restrição alimentar, como dizer NÃO

Como lidar com tudo que temos que negar às crianças com restrições alimentares? LIDAR COM AS DIFERENÇAS Antes de falar Leia mais

Volta as aulas: quando o conhecimento faz a diferença!

Por Bianca Kirschner A volta às aulas traz novos desafios para as famílias com crianças com restrições alimentares. É um Leia mais

A difícil, mas não impossível, tarefa de incluir

Por Welinton Benga Conhecemos a Bianca por conta de um evento realizado na cidade de São Paulo em abril de Leia mais