Uma importante conquista de quem convive(u) com a alergia: a consciência alimentar

Por Vívian Dutra Fernandes de Castro
@vividutracastro

Sempre digo que só o fato de estarmos em dieta restritiva para fins de alergia alimentar não faz com que necessariamente nos alimentemos melhor. No caso da Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV), não há qualquer restrição para açúcar ou gordura, por exemplo. O que mudou para mim, em primeira instância, é que eu abri o coração para me jogar na cozinha, o que eu não curtia.

Depois que peguei gosto pela coisa, não teve volta. Mesmo com a cura da Iasmin, eu continuo preparando tudo por aqui, os mesmos lanchinhos! Industrializados aqui não fazem mais parte da nossa rotina, apesar de sua praticidade e de não termos mais ajudante em casa, visto que as meninas já estão crescidinhas e cada vez mais independentes.

Sem falar da marca, né? Criei um negócio que tem ajudado a complementar a renda familiar num momento difícil para todos no país, financeiramente falando.

O que eu ainda não havia contado é que a experiência com a alergia alimentar de Iasmin me trouxe mais um benefício: o de me sentir pronta para um processo de emagrecimento. Ano passado, com a chegada da pandemia e o desmame da Iasmin, quando pude finalmente comer tudo o que eu fiquei com vontade de comer nos últimos anos, eu engordei bastante.

Apesar de nunca ter sido magra, nem tampouco ter isso como um objetivo em minha vida, tenho um limite onde me sinto bem com meu próprio corpo. Senti que tinha ultrapassado o limite.

E qual é a primeira coisa que uma pessoa faz quando quer emagrecer? Dieta. Só que, por causa das minhas experiências alimentares da infância e da adolescência, eu não acreditava que fosse capaz de seguir dieta alguma. Isso porque acredito que só funcionem a curto prazo e porque pra mim, restrição (nesse caso) só gera compulsão.

Quando me vi pensando isso ano passado, me veio à cabeça tudo o que eu vivi para poder amamentar Iasmin. Será mesmo que eu poderia ousar dizer que não tenho disciplina para seguir uma dieta? Se eu NUNCA tive nenhum furo na minha por mais de dois anos, não importava a restrição que me era imposta?

Claro que eu tenho disciplina, e muita!!! Pra fazer aquilo em que acredito. Bem no meio desse meu processo reflexivo, conheci uma nutricionista que trabalha com essa linha de pensamento, de emagrecer comendo de tudo.

Se eu já estava comendo de forma natural e saudável desde a época da alergia, só faltava uma orientação para colocar isso em favor do meu emagrecimento. E é isso o que estou vivendo agora. Emagrecendo sem pressa e com saúde. Porque a alergia me trouxe CONSCIÊNCIA ALIMENTAR. E hoje eu opto por seguir me alimentando, bem como à minha família, de forma mais natural e saudável. E confiando em mim.

Vívian Dutra Fernandes de Castro, professora, mãe da Iasmin, atualmente tolerante ao leite e que foi amamentada por mais de dois anos; e da Ivy, que também apresentou alergia ao leite, que só foi descoberta com o nascimento da irmã.

Instagram: @vividutracastro

Crianças Alérgicas: Um aprendizado diário

Nahara e Anita Nahara Leite Ribeiro, Piracicaba SP @nah_ribeiropsico Sou uma mãe fora do padrão, em Leia mais

Denise Corrêa Chagas, mãe de Raphaela, alérgica a amendoim.

Denise Corrêa Chagas - @denisecchagas Rio de Janeiro Raphaela tem 7 anos e é alérgica a amendoim. Descobrimos através de Leia mais

Filho Alérgico, Mãe Surtada. Com bastante sorte.

Camila Nogueira, mãe da Juju @filhoalergicomaesurtada Hoje estou aqui para contar um pouquinho da nossa história na alergia. Falo “nossa” Leia mais

Os beijos de Sarah

Por Sarah Soares, Florianópolis  @_alergico Vou compartilhar um pouco minha experiência sobre beijos. Eu não vivi minha adolescência alérgica também. Leia mais