Daytona Hodson: experiências de um adolescente vivendo com alergias alimentares

Entrevistado por Bianca Kirschner

Eu e Lucas conhecemos Daytona e seu pai, Eric Hodson, em Washington, DC, em outubro passado, durante o Contains: Courage FARE Summit 2019. O painel deles foi chamada Do’s And Dont’s For Dads and Dudes, algo como “o que fazer e não fazer para pais e caras” , em tradução livre.

Após a palestra, nós nos apresentamos e convidamos Daytona a colaborar conosco, compartilhando algumas de suas experiências como um adolescente vivendo com alergias alimentares.

Bianca: Por favor, conte-nos um pouco sobre você, seus hobbies, cidade natal, curso na escola e suas alergias.

Daytona: Olá, sou Daytona Hodson e tenho 17 anos. Eu moro em Olathe, Kansas, nos Estados Unidos e estive por todo o país defendendo alergias alimentares. Sou alérgico a amendoim e quando estava na quarta série passei a poder consumir nozes, que até então também era alérgico. Eu participo de vários esportes no ensino médio e estou na equipe de discursos e debates da nossa escola. No meu tempo livre, gosto de passar o tempo fora de casa e estar com os amigos.

Bianca: Um dos objetivos do nosso projeto @ConexaoAlimentarOficial é mostrar a Lucas, nosso filho de 8 anos, que existem adolescentes e adultos que também sofrem de alergias alimentares. Dito isso, o que você gostaria de compartilhar conosco sobre suas responsabilidades em ser adolescente com alergias alimentares e viver sem ter um adulto ao seu lado o tempo todo? Você se lembra de quando começou a experimentar fazer suas próprias escolhas alimentares de forma independente, não tendo mais seus pais por perto? Como você se sentiu?

Daytona: Quando eu era criança, minha mãe sempre estava lá para me manter seguro, mas logo comecei a aprender com ela. Nas festas, sempre reforcei para os adultos e professores sobre minha alergia e logo comecei a lembrar garçons em restaurantes sobre minha alergia ao pedir comida. Meus pais começaram a introduzir pequenas coisas pelas quais eu poderia ser responsável em relação às minhas alergias, de modo que, quando eu tivesse que fazer tudo sozinho, não seria tão difícil. Muitas vezes, eu era responsável por minhas canetas de adrenalina e as carregava em uma pochete. Em caso de emergência, eu sempre usava minha pulseira de alerta médico. Se alguma vez eu tivesse uma reação, um paramédico poderia facilmente identificar o problema no meu pulso. Durante a transição para o ensino médio, muitas vezes me perguntavam sobre a minha pochete ou minha pulseira. No começo, eu tinha vergonha da minha alergia. Eu só queria ser uma criança normal. No entanto, em vez de possivelmente me colocar em situações perigosas por não ter minhas canetas de adrenalina, decidi tornar normal carregá-las.

Comecei a educar meus colegas sobre a gravidade da minha alergia e procurei criar um ambiente seguro para todos. Embora possa ficar nervoso ao falar sobre algo como sua alergia a seus colegas, isso pode render muito a longo prazo.

Agora, quando estou passando do Ensino Médio para a Faculdade, desenvolvi mais responsabilidades. Agora que tenho meu próprio carro, tenho a liberdade de socializar com os amigos quase sempre que quiser. No entanto, socializar geralmente significa comida. A primeira coisa que tentei fazer foi criar uma boa comunicação com o meu grupo para sugerir restaurantes ou opções seguras para mim. Costumo ser a pessoa que faz as reservas para poder perguntar ao restaurante ou evento sobre minhas alergias.

No entanto, descobri que nem sempre consigo encontrar uma alternativa segura. É por isso que também incentivo vocês a tentar encontrar eventos que não exigem nenhum tipo de comida. Isso pode incluir andar de bicicleta, praticar esportes e outras atividades divertidas. Socializar com alergias alimentares geralmente pode parecer uma tarefa difícil, mas, desde que você se organize com antecedência, você não será colocado em uma situação perigosa.

Bianca: Estamos chegando em maio, que é o mês de conscientização sobre alergias alimentares. Você pode compartilhar conosco algumas de suas idéias sobre a conscientização na escola?

Daytona: O mês de conscientização sobre alergia alimentar é sempre muito emocionante para mim. No passado, trabalhei com minha comunidade e escola para aumentar a conscientização. Na minha cidade, pedimos ao prefeito para criar uma semana de conscientização sobre alergia alimentar em nossa cidade. Isso recebeu atenção de vários jornais e estações de notícias locais e aprofundou a educação sobre alergias alimentares durante esse período.

Na minha escola e com outras pessoas na área, hospedei uma mesa de conscientização sobre alergia alimentar para educar funcionários e alunos sobre a preparação para alergia alimentar. Mostramos às pessoas como injetar uma caneta de adrenalina, o que fazer em caso de emergência, como cuidar de uma criança com alergia alimentar e como incluir outras pessoas com alergia alimentar. Considerando que passo aproximadamente 8 horas do meu dia naquele local, foi outro grande passo para me manter em segurança. Durante esse período, trabalhei com grupos de apoio locais e famílias de alergia alimentar para criar eventos de conscientização na comunidade.

Para esses eventos, simplesmente tínhamos recursos disponíveis em uma biblioteca ou local de reunião local. Em seguida, distribuí-los para os visitantes que estavam interessados. Sei que pais e filhos podem achar difícil se envolver na defesa de alergias alimentares. Muitas vezes, é a mãe que ajuda quando ocorre um problema. No entanto, é crucial que pais e filhos se envolvam. Já tive adultos me dizendo que, apesar de terem ouvido falar dos pais sobre alergias alimentares antes, ter uma perspectiva em primeira mão sobre a alergia foi extremamente impactante. Meu pai sempre foi ótimo em se comunicar com os treinadores sobre como gerenciar minhas alergias alimentares. Pode não parecer muito, mas ter uma perspectiva diferente suscita uma preocupação com alergias alimentares e muitas vezes pode fazer a diferença para alguém.

Galeria:

Acesse o original em inglês:

Daytona Hodson: experiences as a young adult living with food allergies

 

Canal em inglês:

https://conexaoalimentar.com.br/english/

Leia também no Conexão Alimentar:
Sonia Corazza fala sobre os cuidados necessários com produtos cosméticos

O Conexão Alimentar conversou com Sonia Corazza, cosmetóloga e expert em formulações cosméticas há 45 anos e uma das mais Leia mais

Bianca Kirschner: criadora do Conexão Alimentar

Bianca: criar oportunidades de conexões com outras pessoas com alergias alimentares. A criadora e diretora do portal Conexão Alimentar, Bianca Leia mais