História de vida: como surgiu o projeto “Livre Alimentar”

LIVRE ALIMENTAR – Projeto de Conscientização da Alergia Alimentar

O projeto surgiu no início do ano de 2019 nas redes sociais e posteriormente foi pro rádio através de um boletim informativo quinzenal. No entanto, já há alguns anos, eu sonhava em de alguma forma ajudar mais as famílias com alergia alimentar com as quais já compartilhava informações e experiências próprias nas comunidades e grupos de alergia alimentar no facebook e whatsapp.

Fato é que alergia alimentar, apesar de não ser novidade, ainda é muito mal conhecida e corriqueiramente confundida com intolerância alimentar, pois apesar do aumento significativo de casos de alergia alimentar e a diversos alimentos, a informação não tem chegado com a mesma velocidade, tampouco, a todas as localidades e esferas da sociedade. Até mesmo os profissionais da saúde têm tido dificuldades no diagnóstico, que exige uma análise clínica muito detalhada, uma vez que, como afirma a Alergista Dra. Ariana Yang “teste de alergia não faz diagnóstico de alergia.”

Partindo dessa premissa, entendemos que o diagnóstico é bem complexo, exigindo tanto uma atenção maior do profissional ao paciente como um todo como também dos pais e/ou cuidadores (no caso dos bebês e crianças), que por sua vez, precisam ter uma atenção redobrada aos possíveis sintomas ou reações de uma alergia alimentar, inclusive com a orientação de que seja feito um diário alimentar para a identificação de alimentos que podem estar desencadeando uma possível reação alérgica.

Foi pensando nisso, que idealizei inicialmente o IG e Facebook Alimentar, que atualmente é Livre Alimentar, com o objetivo de informar, conscientizar e incluir. E assim o sonho de ajudar mais começou a se tornar realidade. Não é simples se manter atualizada sobre um assunto de uma área que não é a sua, já que sou graduada em Letras – Língua Portuguesa e Literatura pela Universidade Federal de Mato Grosso e em Língua Inglesa por Cambridge Schools em Nova York, tendo atuado como professora de Inglês por 10 anos.

Quando então resolvi dar uma pausa, pensando que seria só um tempo curto fora de sala de aula, porém com a chegada dos filhos e os diagnósticos de alergias, assumi a maternidade integral, e posteriormente comecei a fazer alguns trabalhos na comunicação na modalidade home office. Portanto, mesmo não sendo da área da saúde, resolvi mergulhar de cabeça no mundo das alergias alimentares, tanto para ajudar no tratamento dos meus filhos, uma menina de 11 anos que além de ser alérgica a várias coisas como poeira, pêlos de animais, barata, ácaro e camarão, ainda sofre de asma e é intolerante a lactose, e um menino de 7 anos, alérgico a proteína do leite de vaca ou leite animal, como também ajudar famílias com alergia alimentar com as experiências já vividas, informações difundidas dentro e fora do país, e até mesmo por meio de mobilizações para doações a famílias que após confirmado o diagnóstico de uma alergia alimentar no bebê ou criança, precisam de alimentos especiais para alérgicos, como fórmulas infantis de alto custo, por exemplo.

Enfim, o projeto Livre Alimentar de conscientização da alergia alimentar, que começou como um sonho de informar, conscientizar e incluir, foi impulsionado pelos anseios e angústias de famílias que vivem e convivem com alergia alimentar, se sentem isoladas do convívio social e não têm encontrado nas escolas (públicas ou privadas) um ambiente seguro para deixar os filhos. Sendo assim, essas famílias se isolam não por opção, mas por não terem opção segura para a saúde dos filhos.

Quando experiências de vida servem de inspiração e até de orientação para as pessoas, elas devem ser compartilhadas, divulgadas e propagadas para que possam alcançar aqueles que precisam saber que não estão sozinhos na caminhada.

Leda Alves
Mãe de alérgicos
Defensora da Conscientização da alergia alimentar

Instagram: @livre_alimentar
Facebook: Leda Alves Alimentar
Mato Grosso no Ar – Boletim Livre Alimentar