A importância dos testes de provocação

Por Dra. Helena Velasco

O Diagnóstico de Alergia Alimentar pode ser extremamente complicado. Os exames laboratoriais (igEs específicas) ou os testes na pele (prick test e prick to prick) auxiliam muito nas alergias IgE mediadas ou imediatas, mas mesmo nesses quadros eles não são confirmatórios quando são negativos.

A única maneira de comprovar uma alergia alimentar é através dos testes de provocação. Eles são os exames padrão-ouro (com menor probabilidade de erro) para o diagnóstico das alergias alimentares.

São realizados em ambiente hospitalar e consistem na oferta progressiva por via oral do alimento em intervalos regulares, sob supervisão médica, para monitoramento e tratamento imediato de possíveis reações clínicas.

Esses testes podem ser realizados tanto em pacientes com reações imediatas quanto tardias. Nas reações tardias eles são mais difíceis de interpretar e requerem auxílio dos pais, uma vez que após a exposição no hospital e o período de acompanhamento, o paciente pode ir para casa e observar se ocorrerá alguma manifestação.

É importante ressaltar que as alergias alimentares costumam ser consistentes nas suas manifestações. Quando a criança apresenta vômito/diarréia, ela vai apresentar esses mesmos sintomas sempre que em contato com o alimento.

De certa maneira, quando seu médico tenta suspender e reintroduzir algum alimento no seu filho ele também está realizando um teste de provocação.

A confirmação ou exclusão do diagnóstico de alergia alimentar é muito importante para o adequado tratamento das crianças com AA. Devemos sempre evitar a exclusão desnecessária de alimentos. Se você tem dúvidas em relação a alergias alimentares, procure um alergista para lhe orientar.

 


Dra. Helena Velasco é gaúcha, formada em medicina pela ULBRA em 2009. Fez residência em pediatria no Hospital da Criança Santo Antônio e pós mestrado na UFCSPA sobre oligoelementos na asma aguda e residência de alergia e imunologia na Unifesp em São Paulo. Atualmente, é doutoranda do programa de pediatria da UNIFESP estudando erros inatos da imunidade.

Em 2017, passou 4 meses em Londres no Great Ormond Street Hospital acompanhando o serviço de imunologia e transplante. Voltou para Porto Alegre em 2018, onde atende no consultório e faz avaliação de pacientes no Hospital da Criança Santo Antônio e no Hospital Moinhos de Vento.

É membro do comitê de imunodeficiências da ASBAI.

Insta: @drahelenafleckvelasco

Leia também no Conexão Alimentar:
Como começar a fazer doces veganos e sem glúten sendo uma confeiteira tradicional?

A chef Pri Lorente Por Ariadne Vasconcelos, Doces de Davi Como começar a fazer doces #veganos Leia mais

Conexão Alimentar é selecionada para o Programa de Aceleração B2Mamy Pulse – Turma 8

A plataforma Conexão Alimentar vai participar do Programa de Aceleração B2Mamy Pulse - Turma 8. O programa é focado em Leia mais

Beijando alérgicos

Photo by Analise Benevides on Unsplash Dra. Catherine Martins Para pessoas com alergias alimentares, as vezes, Leia mais

Vamos falar de alergia alimentar de uma forma mais simples?

Dra. Patricia Tarifa Loureiro Alergista e Imunologista- CRM 83330 A alergia alimentar é uma doença consequente a uma resposta anormal Leia mais