A força de novos saberes e novos sabores

Entrevista com Lidiane Barbosa, do Projeto Crescer e Semear

Lidiane Barbosa quer fazer uma revolução com a Alimentação Saudável. Com o Projeto Crescer e Semear ela leva para as escolas públicas, presencialmente e por meio do EAD (Educação à Distância), conhecimentos que demonstram que comer bem pode sim fazer a diferença.

“O Crescer e Semear leva, através de workshops, oficinas mão na massa e palestras, educação nutricional, alimentar, socioambiental e financeira para escolares, pais e responsáveis e cozinheiros da alimentação escolar nos municípios que atuamos. O escopo final é mudar a qualidade do cardápio das escolas públicas, trabalhando com o mesmo valor que seria destinado à refeição das crianças, apesar de o valor ser super baixo, não oneramos. Levamos novos saberes para novos sabores.”

Chef de cozinha, pós graduada em gastronomia funcional, Lidiane explica que o projeto também envolve a atenção com alergias alimentares, apesar de não ser o foco principal.

“ 90% das receitas ensinadas aos cozinheiros da alimentação escolar são livres de glúten e proteína do leite da vaca. E falamos muito sobre a inclusão, sobre alergias e intolerâncias alimentares. Já 100% das receitas feitas com as crianças são livres de alergênicos, uma vez que um dos nossos escopos é a socialização através da comida.”

Recentemente premiada com o prêmio “Pátria Voluntária”, do Governo Federal, o Projeto Crescer e Semear tem uma atuação modelo nas cidades de Blumenau e Indaial, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina, mas possui planos de disseminar por diversos estados do Brasil, com convênios em diversas esferas da administração pública.

Nesta entrevista exclusiva para o Conexão Alimentar, Lidiane Barbosa falou sobre o projeto e diversos aspectos da alimentação escolar. 

Fale um pouco da experiência e do propósito do projeto Crescer e Semear. Também conte um pouco essa história, se possível.

O Projeto Crescer e Semear existe desde 2014 com o intuito de levar alimentação de qualidade às escolas públicas do nosso país.

Não fincamos a bandeira das alergias e intolerâncias alimentares, pois já é bastante difícil falar sobre alimentação saudável, quanto mais alimentação restritiva.

Mas 90% das receitas ensinadas aos cozinheiros da alimentação escolar são livres de glúten e proteína do leite da vaca. E, aqui, falamos muito sobre a inclusão, sobre alergias e intolerâncias alimentares.

Terminamos de gravar inclusive o EAD do Crescer e Semear, o PROGRAMA voltado para os COZINHEIROS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. 90% dele foi elaborado com receitas livres de alergênicos e existe um módulo específico sobre o tema.

Já 100% das receitas feitas com as crianças são livres de alergênicos, uma vez que um dos nossos escopos é a SOCIALIZAÇÃO ATRAVÉS DA COMIDA.

O Crescer e Semear leva educação alimentar, nutricional, socioambiental e financeira às escolas públicas do nosso país.

O escopo final é mudar a qualidade do cardápio das escolas públicas, trabalhando com o mesmo valor que seria destinado à refeição das crianças. Apesar de o valor ser super baixo, não oneramos. Levamos NOVOS SABERES para NOVOS SABORES.

Acreditamos que a ALIMENTAÇÃO ESCOLAR É FERRAMENTA FUNDAMENTAL NO PROCESSO EDUCACIONAL DE NOSSAS CRIANÇAS.

Através da alimentação escolar DE QUALIDADE, a criança desenvolverá o intelecto, o cognitivo e o aprendizado.

Em Indaial (cidade de Santa Catarina), temos uma parceria bem grande com o gestor no sentido de estarmos “livres” para auxiliá-los a executar o que for o melhor para a qualidade do aprendizado/alimentação das crianças.

O prefeito da cidade, André Moser, é um gestor que se preocupa com o tema.

Mas não podemos deixar de reconhecer o grande esforço e o trabalho das responsáveis técnicas (nutricionistas) do município: Jesley e Andressa. Nos meus anos de caminhada com o Crescer, nunca vi profissionais tão envolvidas e honrando o diploma que um dia receberam.

A preocupação com as crianças portadoras de alergias alimentares partiu delas, e nós, como instituto, já fizemos 104 kits diferenciados para crianças com intolerâncias e alergias alimentares, além de 550 kg de arroz e 954 kg de feijão para os alunos da educação pública municipal durante a pandemia.

As crianças, com o recesso das aulas, passaram a receber um kit alimentação em suas casas, pois sabemos que 78% das crianças do país fazem nas escolas a única ou principal refeição do dia, então não ter acesso a ela geraria mais um grande impacto negativo desta pandemia.

O Decreto Presidencial que autorizou o uso do recurso que deveria ser utilizado no dia dia das escolas fala em seguir as normas e diretrizes do PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) e o Programa determina que os escolares que precisam recebam alimentação diferenciada e também que sejam feitos kits diferenciados de acordo com a idade do escolar e tempo de permanência na escola.

Venho acompanhando a execução do decreto em outros municípios e estados e posso dizer que o que Indaial está fazendo é ÚNICO.

Qual o número de crianças que participam do projeto?

Todos os alunos da rede municipal de ensino de Indaial (9.165) participam do programa do Projeto Crescer e Semear durante o ano letivo.

Em Blumenau, participam 4.165 crianças, alunos de escolas que não recebem a alimentação escolar de empresas terceirizadas.

Conte-nos um pouco do seu trabalho nas escolas públicas da região do Vale do Itajaí, Santa Catarina? E tem ideia de disseminar para outros estados do Brasil?

O Crescer e Semear leva, através de workshops, oficinas mão na massa e palestras, educação nutricional, alimentar, socioambiental e financeira para escolares, pais e responsáveis e cozinheiros da alimentação escolar nos municípios que atuamos.

O trabalho acontece nas escolas, com os escolares durante o ano letivo e com os cozinheiros da alimentação escolar, o mão na massa em universidades das cidades em que atuamos, nos laboratórios de gastronomia.

A ideia é que todos aprendam sobre escolhas alimentares, o impacto que as escolhas geram para nosso planeta e para a nossa saúde. Falamos sobre aproveitamento integral dos alimentos, zero desperdício.

Levamos o agricultor às crianças e as crianças ao agricultor para que entendam todo o ciclo do alimento, toda cadeia, até que chegue à alimentação escolar.

E a participação dos cozinheiros da alimentação escolar é fundamental, uma vez que estes profissionais são agentes de saúde importantíssimos nas mudanças e em todo processo.

A ideia é levar o Crescer e Semear para todo Brasil. Agora, pelo EAD ((Educação à Distância), existe uma possibilidade de tornar essa ideia real, mas sempre pensando em pelo menos um módulo presencial, quando tudo se normalizar. A nossa grande ideia é fazer uma abordagem disseminadora top-down do projeto, a partir de parceria com o Governo Federal.

Seria incrível o Governo Federal implantar em outros municípios e estados, para que todos tenham a conscientização da IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR.

Nessas ações, existem a identificação de crianças com alergias alimentares, severas ou não? Com é o procedimento com os alérgicos alimentares?

Muitas!

Muitas recebem alimentação diferenciada, mas infelizmente sem qualidade nutricional.

O PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) é super bem escrito, mas já existe há 64 anos e precisa ser atualizado.

E quando não é uma prerrogativa dos gestores (prefeitos ou governadores) e nem dos profissionais responsáveis in loco (responsáveis técnicos = nutricionistas)… infelizmente, é feito por fazer.

Um exemplo: se a criança não pode consumir leite e derivados, não é raro vê-la consumindo margarina no lugar, por exemplo.

Qual a sua especialização? Como a maioria de seus clientes restaurantes lidam com a alergia alimentar de seus clientes?

Sou chef de cozinha, fiz várias especializações de gastronomia voltada para saúde e sou pós graduada em gastronomia funcional. A grande maioria dos restaurantes, cafés e produtos com a indústria que eu faço são voltados para clientes com intolerâncias e alergias alimentares. Quando o cliente quer abraçar essa bandeira, eu sempre explico a grande responsabilidade que o mesmo terá em relação à compra de insumos que tenham a garantia de descontaminação, a grande responsabilidade dos funcionários em não comer e não manipular absolutamente nada que contenham esses alimentos. Alguns desistem no meio do caminho e acabam executando receitas sem glúten e sem leite de vaca, mas não levantam a bandeira, fazem por questão de saudabilidade.

Em relação à contaminação cruzada, como você vê esse assunto e como os estabelecimentos estão lidando com isso?

Quando percebem essa grande importância e, principalmente, responsabilidade, procuram órgãos ou associações como a ACELBRA, para que comprem apenas de fornecedores indicados e cadastrados e bancam a cozinha do zero, ou seja, novos equipamentos, que não foram utilizados antes para não correr risco.

Meu primeiro encontro no treinamento com os colaboradores sempre é mais teórico e falamos sobre a grande importância daquele estabelecimento e todas as responsabilidades que iremos abraçar.

E a conscientização não pode parar nesse primeiro encontro.

Como você analisa a conscientização em relação a alergias alimentares de quem lida com a alimentação e mesmo de forma geral? Comente.

Infelizmente, nosso país não está muito preparado para esse tema.

Vemos outros países com a preocupação desde a fabricação da embalagem.

Aqui no Brasil, não existe formação desses profissionais e nem tampouco um cuidado.

Muitos tratam intolerâncias e alergias alimentares como “frescura”.

Quantas vezes ouvimos: “ah qual problema, come só um pedacinho”.

Por isso, decidi trabalhar para abraçar esse público.

Apesar de não ser uma “dor” pessoal, eu acredito MUITO NA SOCIALIZAÇÃO ATRAVÉS DA COMIDA e também que todos possam COMEmoraR, dividindo o mesmo prato.

Acesse:

https://projetocresceresemear.com.br

http://lidianebarbosa.com.br

Entrevista ao jornalista Manoel Fernandes Neto

 

 

Leia também no Conexão Alimentar:
Entrevista com Maira Figueiredo, criadora do aplicativo NuRÓTULO.

Novo aplicativo busca ajudar pessoas com alergia alimentar. Criadora do novo recurso foi entrevistada no quadro "Fique Ligado" Nesta edição Leia mais

Daytona Hodson: experiências de um adolescente vivendo com alergias alimentares

Entrevistado por Bianca Kirschner Eu e Lucas conhecemos Daytona e seu pai, Eric Hodson, em Washington, DC, em outubro passado, Leia mais

Para a nutri Valeska De Costa, “olhos bem abertos” são essenciais para segurança alimentar

Valeska De Costa: desafio é adequar as receitas para cada caso e não ter a contaminação Leia mais

Bianca Kirschner: criadora do Conexão Alimentar

Bianca: criar oportunidades de conexões com outras pessoas com alergias alimentares. A criadora e diretora do portal Conexão Alimentar, Bianca Leia mais