Vamos falar de alergia alimentar de uma forma mais simples?

Dra. Patricia Tarifa Loureiro
Alergista e Imunologista- CRM 83330

A alergia alimentar é uma doença consequente a uma resposta anormal do nosso sistema imunológico, que ocorre após a ingestão e/ou contato com determinado(s) alimento(s).

Ela é classificada de acordo com o mecanismo envolvido em: IgE mediada, não mediada por IgE e mista.

Nossa, mas aí complicou……

Reações mediadas por IgE são aquelas que aparecem logo após o contato com alérgeno, de minutos até 2 horas após a ingestão do alimento. Manchas vermelhas pelo corpo que coçam muito (urticária), inchaço de lábios e/ou olhos ( angioedema), vômitos, diarreia, tosse, chiado no peito e até anafilaxia ( reação sistêmica mais grave), são sintomas e sinais que os pacientes podem apresentar.

Ig E é o nome do anticorpo produzido contra um alérgeno específico ao qual o indivíduo foi sensibilizado, por exemplo leite, ovo, camarão. Neste tipo de reação conseguimos fazer exames para o alimento suspeito , desde que tenhamos ideia de qual ou quais sejam eles. Vejam, não existe nenhum exame que dará o diagnóstico definitivo. Somente depois de muita conversa, quase uma investigação policial, selecionamos o ou os alimentos mais suspeitos e solicitamos os exames. O resultado será valorizado caso haja uma relação muito forte com o acontecimento relatado.

Não-mediadas por IgE ou tardias são reações com participação de células, diferente da anterior. O exemplo mais comum é a proctite ( o famoso sangue nas fezes), mas a enteropatia( diarreia sem sangue, desidratação, perda de peso) induzida por proteína alimentar e a enterocolite ( náuseas, vômitos incontroláveis podendo chegar a choque por desidratação- esse é o FPIES) induzida por proteína alimentar também podem ocorrer.

As reações mistas, terceiro tipo de reação alérgica alimentar, ocorrem tanto pela participação da IgE como de células e de outras substâncias levando ao aparecimento de doenças como dermatite atópica, esofagite, gastrite e gastroenterite eosinofílicas. E estas, assim como as não Ig E mediadas, também são de aparecimento tardio.

Ficou com alguma dúvida? Pode enviar sua pergunta para o Conexão Alimentar que na medida do possível tentaremos responder.

Fonte: Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar- parte 1
Sociedade Brasileira de Pediatria e Associação Brasileira de Alergia e Imunologia

Leia também no Conexão Alimentar:
Atenção com as fake news de “cura” para alérgicos alimentares

Por Bianca Kirschner De tempos em tempos, somos surpreendidos com notícias de novos tratamentos. Para nós, cada novidade em tratamento Leia mais

Como começar a fazer doces veganos e sem glúten sendo uma confeiteira tradicional?

A chef Pri Lorente Por Ariadne Vasconcelos, Doces de Davi Como começar a fazer doces #veganos Leia mais

Conexão Alimentar é selecionada para o Programa de Aceleração B2Mamy Pulse – Turma 8

A plataforma Conexão Alimentar vai participar do Programa de Aceleração B2Mamy Pulse - Turma 8. O programa é focado em Leia mais

A importância dos testes de provocação

Por Dra. Helena Velasco O Diagnóstico de Alergia Alimentar pode ser extremamente complicado. Os exames laboratoriais (igEs específicas) ou os Leia mais